Heliconius sara apseudes (Hübner, 1806)

Uma das mais comuns e abundantes borboletas da Mata Atlântica, encontrada em diversos tipos de habitat, tais como capoeiras, vegetações de restinga e praias. É freqüente em sua área de ocorrência, do sul até a Paraíba, ao longo da costa brasileira. Na restinga arenosa, onde o calor é intenso e a vegetação esparsa, encontra também seus nichos ideais procriando durante todo o ano. Voa durante todo o dia nos locais sombrios e ensolarados á procura do néctar de diversas flores de que se alimenta. O vôo é lento e baixo, mas, quando perseguida, torna-se rápido e irregular.
O ciclo completo é de um mês e meio e o adulto vive durante seis meses. As fêmeas escolhem os brotos novos de diversas espécies de maracujá para efetuarem as posturas gregárias de até duzentos ovos, 1mm. Mais de uma fêmea pode utilizar o mesmo broto, formando na haste terminal do vegetal uma massa amarela de ovos.
As lagartas (50mm) são gregárias e costumam transformar-se em crisálidas, 30mm, próximas umas das outras. Elas são ferozes competidoras da ameaçada Heliconius nattereri pelo maracujá Tetrastylis ovalis.
Os machos são atraídos pelas crisálidas das fêmeas pouco antes da eclosão das mesmas, que são fecundadas com suas asas ainda não completamente distendidas.
Os adultos costumam, dormir em grupos de até cem borboletas, na ponta de galhos secos.
 

Clique para ampliar - Photo by Keith S. Brown Jr.
Clique para ampliar - Photo by Luiz Claudio Marigo
Clique para ampliar - Photo by Keith S. Brown Jr. Clique para ampliar - Photo by Luiz Claudio Marigo